Meninas forçadas a casar com homens muito mais velhos

Casos de meninas forçadas a se casar com homens muito mais velhos são comuns no oeste e no leste da África e no sul da Ásia

Ela tem idade para brincar com bonecas. Mas, aos nove anos, uma menina saudita da cidade de Anidh se viu forçada a deixar a infância de lado para assumir um papel que não deveria ser seu: o de mulher de um homem com mais de 50 anos. Nem mesmo o apelo da mãe da garota sensibilizou a Justiça do país, que validou o casamento. A história, que ganhou as páginas dos jornais de todo o mundo há duas semanas, está longe de ser um caso isolado.
Dados da Usaid, a organização de ajuda internacional do governo americano, são assustadores: cerca de 51 milhões de crianças são transformadas em noivas no mundo, a maioria delas no oeste e leste da África e no sul da Ásia. A Nigéria é o país com o maior número de casamentos envolvendo crianças e adolescentes: 77% das noivas tinham menos de 18 anos.
Na Grã-Bretanha, onde há um órgão do governo que cuida especificamente desse assunto, cerca de 400 casos de casamento forçado são acompanhados por ano, e há uma ampla campanha de conscientização sobre o problema. No mês de fevereiro, uma ordem da Justiça britânica impediu que uma jovem de 22 anos de origem asiática fosse levada ao Paquistão pelo pai, onde se casaria contra a sua vontade.
No ano passado, a história de uma menina iemenita de apenas oito anos também comoveu o mundo. Nojud Mohammed Ali foi forçada pelos pais a se casar com um homem 20 anos mais velho do que ela.
– Disseram que eu ficaria em casa até completar 18 anos. Uma semana depois, meus pais me obrigaram a viver com meu marido – relatou.
Ela era forçada a manter relações sexuais com o marido depois que ele a espancava. Cerca de dois meses depois, conseguiu o divórcio na Justiça.

FONTE: ZH/ 01 de março de 2009 ("Empurradas para o altar")

FOTO AP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

 
Apresentação institucional do Sistema Absoluta. COORDENAÇÃO E DESIGN: RICARDO MARTINS. Foto-topo: Jéssica Pulla, bellydancer, clicada por Toni Bassil.